Buscar
  • Nossa Guarapiranga

EMAE e Sabesp se fingem de mortas, e a Guarapiranga segue agonizando


Cachorro que tem dois donos morre de fome.

Qual é, afinal, a mensagem, ou melhor, a lição empresarial por trás desse ditado popular? Vamos filosofar?

O Agente 1 pressupõe que o Agente 2 vai realizar determinada tarefa e se vê liberado de agir a respeito. O problema é que o Agente 2 pensa igual. Conclusão: atividade ignorada, esquecida, deixada de lado.

E convenhamos: isso se torna ainda mais verdadeiro se o tal afazer for chato, difícil de ser executado.

Meu caro, minha cara:

No contexto da Nossa Guarapiranga e dando nomes aos bois, o Agente 1 é a Empresa Metropolitana de Águas e Energia, vulgo EMAE; e o Agente 2 é a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo, a famosa Sabesp.

A EMAE – fundada em 1998, fruto da privatização da Eletropaulo – é a encarregada de controlar o volume de água não só da represa de Guarapiranga, mas também do canal Pinheiros, da Estação Elevatória da Traição e da Usina Henry Borden, ainda mantida sob controle estatal.

Já a Sabesp tem, há décadas, outorga para explorar a água bruta armazenada na represa. Ou seja: ela trata, distribui e vende água para praticamente metade dos moradores da cidade de São Paulo.

MAS (vem problema aí) a danada não coleta a maior parte dos esgotos produzidos na região. É frequente flagrarmos estações elevatórias de esgotos no entorno vertendo os esgotos coletados em córregos contribuintes da represa.

Esgotos – atenção, porque o que é ruim fica péssimo.

Invasões e ocupações irregulares no entorno da Guarapiranga só aumentam, e as consequências são desesperadoras: menos Mata Atlântica e vegetação preservando as margens; mais assoreamento (acúmulo de terra, lixo e matéria orgânica) da represa e esgotos sendo lançados na água.

A solução de boa parte do problema seria saneamento básico, MAS (de novo essa conjunção) a EMAE não faz isso (não tem esse dever no job description), e a Sabesp (que é especialista nisso) estaria impedida por lei de investir em esgotamento sanitário em áreas ocupadas irregularmente.

Como desatar esse nó?! Alô, alô, poder público! Cadê você?

Assuma sua função gerencial e determine as funções de cada Agente, por favor! MAS (agora virá ideia positiva, prometemos!) SEJA COERENTE.

Para ajudar na tomada de decisão, vamos a cinco fatos:

1) Apesar do nome, a EMAE tem, como atribuição fundamental, geração de energia (só lembrando que ela controla o volume de água do canal Pinheiros, da Estação Elevatória da Traição e da Usina Henry Borden). A Guarapiranga, por sua vez, não contribui em nada com geração de energia.

2) A Guarapiranga não contribui em nada com geração de energia para a EMAE e ainda ajuda a roubar água da Billings (em 2000, uma captação num dos braços, denominado Taquecetuba, interligou a Billings à Guarapiranga), cujo volume de água, esse, sim, serviria para gerar energia na Usina Henry Borden.

3) O sistema Cantareira, que fornece água bruta para a cidade de São Paulo, está sob responsabilidade da Sabesp. A Guarapiranga, que tem a mesma função, não…

4) A Sabesp se beneficia diretamente da Guarapiranga (trata, distribui, vende a água), mas não cuida do “cacá”. Ou seja, fecha os olhos e tampa o nariz para boa parte dos esgotos produzidos na região. (Pode isso, mãe?)

5) Sério que precisa falar mais?

Agente 1, Agente 2, chefe: tomem suas responsabilidades.

Sociedade civil: olho vivo! Acompanhe, monitore, cobre. Esse tema também é seu.

Não dá para prescindir da Guarapiranga como manancial de água. Ela precisa ser alimentada, e bem direitinho, porque morrer – seja lá do que for – não é uma opção.


144 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Contaminação nunca mais; represa Guarapiranga respira aliviada. Todos os 17 pontos estudados por monitoramento independente se revelam "bons" ou "ótimos". Os parâmetros que integram o Índice de Qualid